segunda-feira, 31 de maio de 2010


Corretor de Imóveis, profissão do momento
A Escola Técnica mantida pelo sindicato oferece o curso de Técnico em Transações Imobiliárias, que garante o exercício legal da profissão. Há mais de uma década a Ebrae forma os profissionais da corretagem imobiliária através do inovador método de ensino a distância, o que garante formação de qualidade com flexibilidade de horários.
O aluno da Ebrae também se beneficia do aproveitamento de estudos anteriores e ainda possui a vantagem de se tornar sócio estagiário do sindicato e desfrutar dos mais variados benefícios oferecidos.
Para a matrícula, são necessários 18 anos completos e cópia dos seguintes documentos:
- 1 do RG
- 1 do CPF
- 1 do Título de eleitor
- 1 da certidão de nascimento ou casamento
- 1 do comprovante de endereço
- 1 foto 3x4
- 1 autenticada do Certificado de Conclusão e Histórico do Ensino Médio ou Diploma e histórico do Superior.
- Reservista se menor de 45 anos.
Maiores informações pelos telefones (11)3889-5899 ou 080017-6817 ramal 32.

Escritórios para os Corretores de Imóveis

O Escritório do Corretor equipado com computadores de última geração que permitem acesso ilimitado a internet, impressoras, copiadoras, telefones, toda estrutura de mobiliário necessária, secretária, auxílio de copa, além de orientação jurídica estão à disposição dos profissionais da intermediação imobiliária de todo o Estado.
As agências regionais do sindicato, situadas em edifícios especialmente selecionados, localizados nas áreas mais nobres e de fácil acesso de cada região, oferecem o benefício e já registram retorno positivo para a iniciativa da entidade.
A corretora, Jussara V. de Oliveira, utilizou a estrutura e avaliou como excelente. “Atendi meu cliente, expliquei e tirei dúvidas de financiamento, tudo com muito conforto. A melhor coisa do mundo é ter a disposição um escritório. Tenho certeza que passei confiança e credibilidade ao meu cliente e agora, com meio caminho andado, pretendo concretizar o negócio. Vou utilizar outras vezes e vou indicar para meus colegas.”
Aqueles que pretendem fazer uso do espaço devem entrar previamente em contato com a agência regional da sua cidade e agendar a utilização do Escritório. Os associados desfrutam gratuitamente do benefício.
Anote o endereço do Escritório mais próximo de você:
ABC e região: Av. Portugal, 397 - sala 1401, 14° andar - (11) 4438-3580
Guarulhos: Rua Santo Antônio, 43 - 7° andar, sala 711 - (11) 2409-3642
Osasco: Av. Dionísia Alves Barreto, 500 - sala 407, 3° andar - (11) 3683- 4913
Praia Grande: Av. Brasil, 600 - (13) 3474-4513
Santos: Av. Anan Costa, 100 - 2° andar, cj. 25 - (13) 3222-7685
São José do Rio Preto: Rua Nelson F. Bucater, 145 - (17) 3227-4165
Vale do Paraíba: Av. Dr. Nelson D'Avila, 389 - sala 94b, 9°andar - (12) 3921-8187
Sorocaba: Rua Cesário Mota, 120 - Sala 02 – (15)3232-5890
Jundiaí: Avenida Dr. Pedro Soares de Camargo, 543, sala 32, 3° andar - (11)4522-5062
Campinas: Rua Barão de Jaragua, 707 - 4ºandar - sala 41A - (19)3239-2110



Laboratório de Informática para corretores

A UNISciesp programa para a segunda quinzena do mês de junho novas turmas para o curso de informática. Voltado exclusivamente às práticas do dia a dia imobiliário, o curso foi desenvolvido baseado em exercícios como: digitação de cópias de contratos de locação, compra e venda, cálculos de financiamento, apresentação de lançamentos, planilhas e pesquisas.
Segundo o professor Wellington Sendas, “o objetivo é a aproximação do corretor com a internet, através de acesos ilimitados e apresentações de métodos e maneiras seguras de realizar os negócios,” disse.
O curso é apostilado, com um aluno por micro e, caso seja constatada necessidade, aulas de reforço. Informações e matrículas pelos telefones (11)3889-5899 ou 080017-6817, ramal 589.

Sciesp apoia a reciclagem


O Sciesp realiza trabalho em prol da preservação do meio ambiente. Este projeto visa conscientizar a população da importância da reciclagem para evitar a poluição e facilitar o reaproveitamento das sucatas pelas indústrias. A única forma de evitar grandes tragédias é a conscientização da população para que esta possa contribuir positivamente. O sindicato já adotou sistemas como o de coleta seletiva de papel, plástico, vidros e metais, materiais de difícil decomposição e que podem ser reaproveitados. Corretor faça você também a sua parte!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Inovações e desafios no crédito imobiliário

Alkimar R. Moura & Antonio C. Manfredini Oliveira
O Estado de S.Paulo

Uma das mudanças mais importantes no mercado de empréstimos no Brasil relaciona-se ao recente crescimento das operações de crédito imobiliário, tanto as originadas no antigo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) quanto as vinculadas ao "novo" Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Essa mudança envolve aumento substancial nos recursos para o financiamento habitacional, alongamento considerável nos prazos, maior flexibilidade nas regras operacionais dos agentes financeiros e a criação de novos instrumentos de captação para o setor. Tal modernização do crédito imobiliário resultou da atuação de vários agentes: Banco Central (BC), Congresso, instituições financeiras, incorporadoras, construtoras, etc., dentro do marco regulatório implantado pela Lei n.º 9.514/1997, com inovações financeiras e regulamentares como a securitização de recebíveis imobiliários e a alienação fiduciária de imóveis. Em 2004, a Lei n.º 10.931 instituiu o patrimônio de afetação e as Letras de Crédito Imobiliário. Por fim, o governo federal criou um programa de incentivos à construção de moradias para a população de menor renda.
Além das mudanças institucionais, o pano de fundo macroeconômico favorável ao alongamento dos prazos do crédito imobiliário foi a queda na taxa real de juros, em razão da atuação consistente do BC em busca da estabilidade monetária. Da mesma forma, o aumento do emprego e da renda real gerou ampliação significativa na demanda por crédito imobiliário.
Os maiores bancos privados nacionais estão ativos em crédito habitacional. Alguns bancos estrangeiros procuram adaptar ao Brasil suas experiências nos países desenvolvidos, onde o financiamento imobiliário já está consolidado. A Caixa Econômica Federal (CEF), a maior e mais tradicional operadora do crédito imobiliário no País, tem destinado volumes crescentes de recursos ao setor, procurando alternativas de "funding" aos instrumentos tradicionais da caderneta de poupança, do FGTS e dos repasses do Orçamento federal. De outro lado, para aumentar sua carteira de crédito, a CEF procura agilizar suas decisões de financiamento imobiliário. Ela anunciou recentemente uma inovação na concessão de crédito habitacional. A ideia, segundo notícias na imprensa, é delegar a responsabilidade pela análise do crédito a empresas do setor imobiliário, que são as partes mais interessadas na construção e venda de imóveis novos, assim "terceirizando" a análise da concessão de crédito. Com isso se encurta o prazo das análises, gerando benefícios para os agentes envolvidos no processo: para o mutuário final, maior rapidez na análise e na resposta da instituição bancária; para o construtor/incorporador, menor período para acesso aos recursos do agente financeiro, diminuindo sua necessidade de capital de giro, incrementando sua rentabilidade operacional e lhe permitindo aumentar os volumes produzidos e vendidos. Para a CEF, a maior velocidade nos processos de análise pode permitir contratar novos financiamentos.
Em tese, a terceirização da análise de crédito parece ser um jogo "ganha-ganha", em que todos se beneficiam com a inovação no processo decisório. Mas uma dificuldade potencial com esse arranjo é o possível incremento nos chamados "custos de agência", decorrentes da modificação no comportamento dos agentes envolvidos no processo de crédito. Em princípio, o comportamento dos mutuários finais não deve alterar. Mas a CEF, ao mudar seu processo decisório, delega a um terceiro ("agente") a tarefa de analisar o crédito de tomadores potenciais. Esse agente, o incorporador/construtor, não é necessariamente neutro em relação aos resultados da transação final, que é a venda de um imóvel financiado. Seu interesse básico é vender imóveis e isso é facilitado pela disponibilidade de crédito. Existe, pois, um incentivo a que a análise de crédito seja relativamente mais frouxa, dando origem ao que se chama de seleção adversa, ou seja, escolher os compradores menos propensos a honrar seus compromissos com a instituição financiadora. Assim, sem elementos mitigadores, os benefícios da concessão mais ágil do crédito podem ser suplantados pela seleção inadequada de compradores, gerando, via aumento da inadimplência, um custo maior que os benefícios decorrentes da mudança no processo decisório de crédito.
A atual crise financeira internacional originou-se, em parte, no relaxamento dos padrões de concessão de crédito habitacional a devedores de maior risco. Devemos evitar repetir os mesmos erros. Não há dúvida de que o setor imobiliário brasileiro tem apresentado desempenho notável e dele ainda se espera muito. Maior atenção aos mecanismos que estão sendo criados é vital para construir uma história longa de sucessos e sem sobressaltos.
SÃO PROFESSORES DE ECONOMIA DA EAESP/FGV

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Crédito habitacional alcança o de veículos

Financiamento imobiliário cresce 50% em 12 meses e já tem o mesmo peso dos recursos destinados à compra de carros
Uma das explicações é o aumento de dois anos no prazo médio de financiamento para o setor de imóveis


EDUARDO CUCOLO
DE BRASÍLIA


A alta do crédito habitacional já faz com que essa modalidade tenha o mesmo peso do financiamento de veículos na economia brasileira.
Segundo dados do Banco Central, no começo de 2009 o financiamento para veículos superava o crédito imobiliário em quase 30%. Hoje, a diferença é inferior a 1%.
A venda a prazo de veículos cresceu 30% nos 12 meses encerrados em abril e bateu recorde por causa do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) reduzido que vigorou até março. No mesmo período, o crédito imobiliário no país avançou 50%.
As duas modalidades de crédito superaram no começo do ano R$ 100 bilhões em financiamentos cada uma.
Um dos fatores responsáveis por esse crescimento é o aumento nos prazos dos financiamentos. Desde abril de 2009, o prazo médio do financiamento habitacional, que pode chegar a 30 anos, aumentou dois anos.
De acordo com o BC, o financiamento de imóveis ainda tem um peso pequeno na economia, mas cresce a taxas "surpreendentes". Passou de 2,3% do PIB (soma dos bens e serviços produzidos no país em determinado período) para 3,2% nos últimos 12 meses.
"Ainda é pouco, mas isso vem crescendo de forma expressiva e alcançou o financiamento de veículos, que também representa 3,2% do PIB", disse o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.
Em países emergentes como Chile, México e África do Sul, essa participação fica próxima de 10% do PIB. Nos desenvolvidos, supera 60%.
Os números do BC mostram que, nesse período, o crédito para veículos teve crescimento expressivo. Em abril, as concessões de novos financiamentos nessa área ficaram 83% acima do verificado um ano antes.
Foi o segundo melhor resultado da história, atrás apenas do de março, último mês com o desconto do IPI.
Os prazos também aumentaram, de uma média de 48 meses em abril de 2009 para 52 meses neste ano.
Os setores habitacional e de veículos estão entre as principais modalidades que impulsionaram o crescimento recente do crédito, que registrou uma expansão anual de 17,6% até abril.
Para o presidente da ABBC (Associação Brasileira dos Bancos), Renato Martins Oliva, o crédito ao consumidor deve se desacelerar. Ele projeta um crescimento de 20% para 2010 (mesma previsão do BC) e de 10% para 2011.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Guarujá firma parceria com o Governo do Estado para obras habitacionais

De A Tribuna On-line


Um convênio entre a Prefeitura de Guarujá e o Governo do Estado promoverá a construção de duas mil casas na Enseada. O bairro foi escolhido devido aos últimos acontecimentos envolvendo mortes e deslizamento nos morros daquela região, especificamente na Vila Baiana.

A previsão é realizar uma ampla reforma socioambiental, removendo duas mil famílias que vivem em áreas de risco.

O secretário estadual de habitação e presidente da Companhia Estadual de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), Lair Alberto Soares Krähenbühl, disse que o Estado será parceiro para viabilizar as obras de reestruturação de alguns bairros de Guarujá e erradicar as moradias construídas irregularmente em áreas de risco, além de dar continuidade ao projeto de regularização fundiária.

As obras devem ser incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2) do Governo Federal. Com a aprovação do projeto, o próximo passo é a definição de possíveis contrapartidas do Estado e do Município.

A CDHU também pretende construir 700 unidades, que beneficiarão 700 famílias com o empreendimento Guarujá G, que será erguido na Vila Zilda. Antes, porém, será necessário fazer uma obra de drenagem no local, que é de responsabilidade da Prefeitura.

Com o convênio, a Prefeitura também espera promover a regularização fundiária de dez núcleos habitacionais, num total de 19.300 moradias, beneficiando diretamente 97 mil pessoas.

A assinatura do acordo foi feita durante uma reunião realizada nesta segunda-feira na Secretaria Estadual de Habitação, em São Paulo, com a prefeita Maria Antonieta de Brito e o secretário Lair Alberto Soares Krähenbühl.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

A categoria se despede de um grande profissional

A diretoria do sindicato manifesta seu profundo pesar pelo passamento de Antonio Simas, um homem livre e de bons costumes, reconhecido nacionalmente pelos feitos em prol da categoria, conhecido por seus colegas como a “história viva” da corretagem imobiliária, deixará saudade e um grande vazio no repertório da profissão.
Simas foi um exemplo a ser seguido. Iniciou sua carreira na “Odil de Sá Empreendimentos Imobiliários” e, após muitos aprendizados, voou como o símbolo maior dos corretores de imóveis, o colibri, e consagrou o sucesso profissional como administrador da Simas Imóveis.
Com sua atuação no mercado imobiliário ao longo dos mais de 35 anos recebeu inúmeras comendas e títulos dos quais se honrava de expor em seu escritório, com destaque para o Título de “Corretor Emérito”, no ano de 2006 e a “Medalha – O Conciliador”, em 2008, ambos outorgados pelo Sindicato da categoria.
Antonio Simas foi um profissional de reputação ilibada, muito participativo e um dos grandes ícones do setor imobiliário. Foi eleito diretor do Sindicato e do Conselho Regional da 2ª região por diversas gestões. Participou do 9º Congresso de Corretores de Imóveis, grande marco na luta pela regulamentação profissional conquistada após aprovação da Lei 6530 de 12 de maio de 1978. No sindicato ainda presidiu as Comissões de Trabalho com vistas a aperfeiçoar e facilitar o exercício da profissão.
Em diversas oportunidades emprestou seu vasto conhecimento ao proferir palestras, conferências e, em especial nos cursos sobre “Captação de Imóveis” e “Operações Imobiliárias”. À UNISciesp a universidade do corretor, aliás, coube a missão de prestar-lhe a última homenagem em vida, quando em outubro passado, foi indicado e aceitou integrar o Conselho de Notáveis, passando assim, a fazer parte do seleto grupo de imortais daquele colegiado.
Como diria Simas, um ósculo in fáceis a todos e até breve.

UNISciesp - Encontro Imobiliário
25/05 – Sede – “O corretor e o marketing imobiliário”, com Maurício Eugênio
27/05 – SJC – "Marketing para os Lançamentos”, com Edson Simões
17/06 – Praia Grande – "Economia legal de impostos”, com Ricardo Monteiro
23/06 – Osasco – "Marketing e Comunicação para Lançamentos Imobiliários”, com Edson Simões
28/06 – Campinas – "Marketing e Comunicação para Lançamentos Imobiliários”, com Edson Simões
30/06 – Santos – "Marketing e Comunicação para Lançamentos Imobiliários”, com Edson Simões
Participe! Os encontros ocorrem sempre às 19h00 e a participação é garantida mediante a doação de 2 kg de alimentos não perecíveis.
As inscrições podem ser feitas através do telefone (11) 3051-6155 e pelo e-mail inscricoes@sciesp.com.br – Vagas Limitadas. Confira a programação da sede também pela TV O Corretor, ao vivo, através do site www.sciesp.org.br

IV Campeonato Estadual de Futsal
Estimulado pelo clima da Copa do Mundo, o sindicato promove o IV Campeonato Estadual de Futsal "Corretores de Imóveis-2010", com o intuito de unir ainda mais a categoria e incentivar a prática desportiva. Os corretores de imóveis e alunos do curso de Técnico em Transações Imobiliárias poderão participar de uma competição estadual que contará com a presença de representantes da sede e das suas dez agências regionais.
As inscrições estão abertas e podem ser realizadas nas Agências Regionais ou pelo telefone (11) 3889-5899 ramal 548.

Sciesp apoia a reciclagem

O Sciesp realiza trabalho em prol da preservação do meio ambiente. Este projeto visa conscientizar a população da importância da reciclagem para evitar a poluição e facilitar o reaproveitamento das sucatas pelas indústrias. A única forma de evitar grandes tragédias é a conscientização da população para que esta possa contribuir positivamente. O sindicato já adotou sistemas como o de coleta seletiva de papel, plástico, vidros e metais, materiais de difícil decomposição e que podem ser reaproveitados. Corretor faça você também a sua parte!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Sam Zell faz nova aposta no mercado imobiliário do País

Empresa do bilionário americano pretende captar US$ 500 milhões[br]e investir dois terços em empresas brasileiras

21 de maio de 2010
BLOOMBERG NEWS - O Estado de S.Paulo

A Equity International, do investidor multimilionário Sam Zell, está procurando captar cerca de US$ 500 milhões para aumentar o investimento no mercado imobiliário brasileiro, apostando que o aumento das taxas de juros no País não limitará a demanda, já que a economia cresce no ritmo mais acelerado em vinte anos.
A empresa investirá até dois terços do dinheiro em companhias brasileiras vinculadas aos setores de propriedades residenciais e comerciais, e o restante em outros países fora dos Estados Unidos, disse o presidente executivo da Equity International, Gary Garrabrant. Os novos recursos elevarão o capital investido total da empresa, que tem sede em Chicago, para cerca de US$ 2 bilhões.
"Nosso entusiasmo pelo Brasil não poderia ser maior", disse Garrabrant, que foi cofundador da Equity International com Zell em 1999, numa entrevista concedida em 18 de maio em São Paulo. "Há uma demanda local sem paralelo."
A renda crescente da pujante classe média brasileira assegurará que um ciclo de aumentos de taxas não suprimirá a demanda residencial, disse Garrabrant. A economia crescerá 6,3% este ano, segundo pesquisa do Banco Central publicada esta semana. A renda média mensal dos brasileiros cresceu cerca de 40% nos últimos cinco anos, para cerca de R$ 1.400, segundo o IBGE.
Zell está investindo no Brasil depois que, na semana passada, a Equity International vendeu parte de suas ações na Gafisa, a segunda construtora de moradias do País em receita. "Há menos de 400 mil hipotecas no Brasil, e acredito que haja 400 mil hipotecas no bairro de Upper East Side em Manhattan", disse Garrabrant. "Os brasileiros os alcançarão? Sem dívida."
O anúncio fez as ações das empresas imobiliárias brasileiras subirem ontem, em um dia em que a Bovespa caiu 3,22%. As ações da MRV subiram 7,68% (ON); as da Cyrela Realty, 5,93% (ON); as da Agre, 5,84% (ON); as da PDG Realty, 5,50% (PN); as da Rossi, 4,95% (ON); e as da Gafisa, 3,11% (ON).

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Corretagem de imóveis cresce como 2ª carreira

Com mercado em alta, profissionais de diversas áreas, como engenharia e medicina, adotam a venda de casas e apartamentos como nova atividade

20 de maio de 2010 0h 00
Fernando Scheller - O Estado de S.Paulo

A aceleração do mercado imobiliário - em São Paulo, as vendas cresceram 75% no primeiro trimestre - se reflete na busca por corretores. Na Imobiliária Lello, na capital paulista, a área de vendas foi reforçada em 15% para fazer frente à busca por casas e apartamentos.
Oferecendo horário flexível e comissão de cerca de 3% a cada unidade vendida - em um imóvel de R$ 500 mil, por exemplo, o valor a ser recebido é de cerca de R$ 15 mil -, o setor atrai profissionais de diversas formações, da engenharia à medicina.
Segundo Roseli Hernandes, diretora da Lello, a possibilidade de fazer o próprio horário e de conciliar o trabalho com outras atividades - mesmo que seja cuidar da família - estão entre os atrativos da profissão. Os corretores de imóveis são o que se chama de "profissional-empresa": trabalham como prestadores de serviço para as imobiliárias, que em troca oferecem sua base de dados para venda e locação. O ganho depende inteiramente do que a pessoa vender. "O profissional fica com entre 40% e 50% do valor da comissão, de 6% do valor da venda", diz Roseli.
O requisito básico para o exercício da profissão, de acordo com o diretor de comercialização e marketing do Secovi-SP, Luiz Fernando Gambi, é o curso de Técnico em Transações Imobiliárias, o TTI, que pode ser obtido em cerca de seis meses.
Gambi conta que deixou a engenharia durante a época de "vacas magras" do setor, nos anos 80, para se dedicar à corretagem. Para prosperar na atividade, diz, é preciso deixar a "mentalidade de assalariado" para trás. "Você é uma empresa", resume. "É preciso trabalhar com planejamento de fluxo de caixa, saber que a venda de hoje te dá um horizonte para um período sem renda", explica o especialista.
Nova fase. O médico veterinário Roberto Moreira Filho, 52 anos, manteve uma clínica por mais de 20 anos. Em 2007, deixou o negócio que havia sido fundado pelo pai, em 1957, para se tornar corretor. "Fiquei 12 anos sem tirar férias. Trabalhava todos os dias, inclusive domingos. Na sexta-feira no fim da tarde, chegava um cachorro atropelado e eu não podia dizer ao dono desesperado que meu dia de trabalho tinha terminado."
Moreira Filho resolveu usar o bom relacionamento na Mooca, bairro onde vive desde criança, para exercer o "lado comerciante". Após tirar o registro profissional, especializou-se em oportunidades na Zona Leste da capital paulista.
Segundo ele, o trabalho de duas décadas na clínica ajudou na administração dos altos e baixos da nova profissão. "Sou um profissional autônomo. Sei que posso ganhar uma comissão de R$ 33 mil em um mês e não vender nada no outro."
Segundo o corretor, a nova atividade permite um esquema flexível de trabalho. "Às vezes, fico na empresa até as 22h esperando um cliente. Em outros, estou livre às 16h. Apesar da correria, é mais tranquilo (que a clínica)."

terça-feira, 18 de maio de 2010

Entrevista: Wilson Garves

A tensão do dia a dia pode atrapalhar os negócios. Para que o corretor saiba como dominar o stress e assim, trabalhar em harmonia, o sindicato conversa com Wilson Cezar Garves, Presidente da Associação Brasileira de Self-Healing.



video


Mais notícias no twitter do sindicato: www.twitter.com.br/sciesp

Vai comprar imóvel na planta? Consultora dá dicas para se fazer bom negócio

Por: Evelin Ribeiro
18/05/10 - InfoMoney


SÃO PAULO – O pagamento à vista é a forma ideal para comprar um imóvel na planta, pois reduz significativamente as taxas e custos de financiamento bancário e tornam a aquisição mais vantajosa, segundo a consultora em saúde financeira e qualidade de vida Suyen Miranda.

Ela explica que o financiamento implica custos de avaliação do imóvel, taxas de documentação e outros elementos que geram despesas adicionais e estão validados, quando da aquisição pelo agente financeiro, seja banco ou mesmo a incorporadora.

“Pagar diretamente minimiza custos de juros, mas é preciso lembrar que a escritura e taxas governamentais terão de ser pagas quase imediatamente ao momento de compra do imóvel”, explica.

Planejamento
Suyen acredita que comprar um imóvel na planta é a melhor opção para quem não é disciplinado para poupar e prefere acompanhar a obra. “Há juros embutidos e custos, mas muita gente se sente confortável em ir pagando aos poucos durante a construção, coisa que dificilmente faria se tivesse de poupar mensalmente. Nesses casos, é uma opção, pois de outra forma não iria comprar”, acrescenta.

Como investimento, a consultora diz que normalmente a valorização do imóvel é menor que a da poupança mas, de qualquer forma, comprar um imóvel é sempre um bom negócio, pois é um ativo que expressa segurança e garantia em nosso sistema de valores e comportamento social.

Os riscos de a construtora atrasar a entrega ou mesmo de a obra não ser finalizada existe, mas hoje as empresas estão mais atentas às regras de defesa do consumidor.

Quando se trata de imóvel na planta, segundo Suyen, quanto maior o valor dado à vista, melhor, desde que seja algo planejado. “Imagine poupar mensalmente um montante por cinco anos para ao menos diminuir o prazo de financiamento e some aos recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Fica a dica: poupe hoje para comprar com segurança no futuro”, finaliza a consultora.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Blog de Notícias Sciesp – sciesp.blogspot.com

Locação, Venda, Compra, Permuta, enfim, tudo que o corretor de imóveis precisa saber sobre o mercado imobiliário pode ser encontrado no Blog de Notícias do seu sindicato. Atualizado diariamente, o Blog é uma maneira fácil e rápida de se informar e se corresponder com a entidade.
Nesse espaço estão disponíveis vídeos com exposições dos principais especialistas do setor que comparecem como convidados nas atividades que o Sciesp realiza, uma vez por semana, para discutir e analisar temas de interesse da categoria. “O Blog do Sciesp também oferece aos corretores de imóveis oportunidades para postar suas opiniões, dificuldades e sugestões, para que possamos juntos oferecer melhores condições para o exercício da profissão,” afirmou Alexandre Tirelli, vice-presidente do sindicato.
Acesse já www.sciesp.blogspot.com

Seja um Corretor de Imóveis de Sucesso
A Escola Técnica mantida pelo sindicato oferece o curso de Técnico em Transações Imobiliárias, que garante o exercício legal da profissão. Há mais de uma década a Ebrae forma os profissionais da corretagem imobiliária através do inovador método de ensino a distância, o que garante formação de qualidade com flexibilidade de horários. O aluno da Ebrae também se beneficia do aproveitamento de estudos anteriores e ainda possui a vantagem de se tornar sócio estagiário do sindicato e desfrutar dos mais variados benefícios oferecidos. Para a matrícula, são necessários 18 anos completos e cópia dos seguintes documentos:
- RG
- CPF
- Título de eleitor
- Certidão de nascimento ou casamento
- Comprovante de endereço
- 1 foto 3x4
- Autenticada do Certificado de Conclusão e Histórico do Ensino Médio ou Diploma e histórico do Superior.
- Reservista se idade abaixo de 45 anos.
Maiores informações pelo telefone (11) 3889-5899, ramal 32.

Corretores participam de missa na Santa Sé


Corretores de imóveis, diretores do Sindicato e do Conselho Regional estiveram presentes a missa que teve como intenção a conquista da Lei nº 6530/78 em seu 32º aniversário. Realizada na Catedral da Sé, dia 12, a celebração foi marcada por alegria e gratidão aqueles que lutaram para fortalecer a categoria profissional.
Organizada pelo Conselho, a missa celebrou a data em que a Lei 6530/78 entrou em vigor e regulamentou a profissão, fixando os direitos e deveres para o exercício profissional da corretagem imobiliária, bem como as penalidades em caso de desobediência suas determinações.
“Essa é mais uma demonstração de que a categoria está forte e atuante. A promulgação da lei valorizou a categoria e constituiu a coroação de muitos anos de luta. Esse encontro foi como uma benção de Deus em comemoração a esta data louvável e também, uma oportunidade de agradecermos as venturas que o corretor de imóveis tem,” declarou Odil de Sá, presidente do Sciesp.


Corretores: garantam seus benefícios
Alertamos a todos os colegas sobre a importância de se manter em dia com as obrigações destinadas à sua entidade sindical, seja por força de Lei (contribuição sindical) ou ainda, aos associados, àquelas definidas pelas Assembléias Gerais (contribuição social e/ou confederativa). O não pagamento, nos respectivos vencimentos acarretará sanções previstas em lei, bem como a eliminação do quadro associativo do Sciesp, perdendo assim, os direitos e benefícios de associado. Informações no 3º andar da sede social ou pelo telefone (11)3889-5899, ramal 31.

Sciesp apoia a reciclagem


O Sciesp realiza trabalho em prol da preservação do meio ambiente. Este projeto visa conscientizar a população da importância da reciclagem para evitar a poluição e facilitar o reaproveitamento das sucatas pelas indústrias. A única forma de evitar grandes tragédias é a conscientização da população para que esta possa contribuir positivamente. O sindicato já adotou sistemas como o de coleta seletiva de papel, plástico, vidros e metais, materiais de difícil decomposição e que podem ser reaproveitados. Corretor faça você também a sua parte!

sexta-feira, 14 de maio de 2010

CEF emprestou mais de R$ 21 bilhões em financiamentos imobiliários neste ano

Por: Camila F. de Mendonça
13/05/10 - InfoMoney


SÃO PAULO – Nos quatro primeiros meses deste ano, a Caixa Econômica Federal emprestou R$ 21,17 bilhões em financiamentos imobiliários. O valor é 123% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando R$ 10,18 bilhões foram emprestados pelo banco.
O valor total alcança os R$ 22,7 bilhões, considerando o período até o dia 10 de maio. Esse montante representa quase o total oferecido ao longo de 2008, quando os contratos fechados alcançaram os R$ 23 bilhões, de acordo com dados do balanço divulgado nesta quinta-feira (13) pela Caixa.
De janeiro a abril deste ano, foram fechados 4.290 contratos por dia, em média. O volume é 116,7% maior que o registrado no mesmo período de 2009, quando 2.550 contratos foram fechados por dia. Em valores, foram movimentados diariamente R$ 261 milhões por dia.
“Embora a Caixa esteja dando grande ênfase ao Programa Minha Casa, Minha Vida, a ampliação do crédito imobiliário vem ocorrendo em todos os segmentos, inclusive para a média e alta renda”, afirmou, por meio de nota, o vice-presidente de Habitação do banco, Jorge Hereda.
Simulador
De acordo com o balanço, o número de simulações feitas por meio do site da CEF também registrou recorde. No início de maio, foram feitas 143.316 simulações de financiamento imobiliário. O número é o terceiro maior desde a criação do simulador e o maior dos últimos 12 meses.
O número de acessos registrados só não é maior que o registrado em abril e maio de 2009, quando 201.311 e 164.328 simulações foram feitas, na ordem. Naqueles meses, o Minha Casa, Minha Vida estava sendo lançado.
Com Feirão, média de contratação deve ser maior
Segundo a CEF, o Feirão da Casa Própria, que será realizado em 13 cidades brasileiras, deve aumentar a média diária de contratação de financiamentos para os próximos meses.
Esta sexta edição do evento oferece mais de 450 mil imóveis, dentre novos, usados e na planta. Destes, 200 mil serão ofertados por meio do programa habitacional do governo. A expectativa é movimentar mais de R$ 3,5 bilhões no evento deste ano, que vai até 11 de junho.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Feirão da Casa Própria começa hoje em SP

Em todo o país 450 mil moradias serão vendidas, 200 mil dentro do Minha Casa, Minha Vida, para famílias com renda de até R$ 4.650

Programa permite uso de FGTS para imóveis de até R$ 130 mil; comprador deve checar condições do crédito e de entorno de imóvel

TATIANA RESENDE DA REPORTAGEM LOCAL
Jornal Folha SP

Com foco na elevação dos números do Minha Casa, Minha Vida, começa hoje o Feirão da Casa Própria em São Paulo, realizado pela Caixa Econômica Federal. Das 151.845 unidades disponíveis, 35.919 estão dentro das regras do programa.
Em todo o Brasil, onde mais 11 eventos serão realizados até junho, serão cerca de 200 mil moradias entre as 450 mil que estarão à venda, de acordo com o banco, que ainda não compilou os números exatos pois nem todas as construtoras repassaram as ofertas. O Minha Casa, Minha Vida usa o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), com juros mais baixos do que aqueles oferecidos com recursos da poupança, e é destinado a imóveis de até R$ 130 mil e famílias com renda até R$ 4.650 por mês. Segundo o último balanço, foram 429 mil contratos assinados até o dia 3, totalizando R$ 28,6 bilhões em investimentos. A meta do governo federal é atingir 1 milhão de moradias até dezembro.
"O público do feirão representa o deficit habitacional brasileiro e, neste ano, temos mais ofertas para essa faixa da população", afirma Válter Nunes, superintendente regional da Caixa em São Paulo, lembrando que, em 2009, havia 28 mil imóveis que se enquadravam no programa federal no Estado. Entre janeiro e março, a Caixa foi responsável por 73% de todas as concessões de crédito imobiliário (em valor) no país, elevando a fatia contabilizada no acumulado de todo o ano de 2009 (71%), quando os bancos privados ficaram receosos devido ao agravamento da crise e perderam participação nos empréstimos com recursos da poupança.
No primeiro quadrimestre, a Caixa registra R$ 21,2 bilhões em financiamento imobiliário, mais do que o dobro (124%) contabilizado no mesmo período de 2009. Para famílias com renda mensal acima de R$ 4.650 e até R$ 4.900 que querem comprar imóveis de até R$ 130 mil, também é possível usufruir das mesmas taxas de juros, mas as condições para o seguro são diferentes. Acima desses patamares, o crédito liberado usará recursos da poupança, com juros de até 13% ao ano, mais TR.
A vantagem para quem está procurando um imóvel é encontrar no feirão todos os agentes da cadeia, como construtoras, corretores, cartórios e técnicos do banco responsáveis por liberar os financiamentos.
Antes de se comprometer por um financiamento que pode durar 30 anos, é preciso avaliar as condições do empréstimo, e não apenas o valor da prestação. William Eid Júnior, coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV, aconselha os futuros mutuários a observarem a estrutura do imóvel e do seu entorno, o que inclui transporte e segurança.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Entrevista: José Celso Martins

A Mediação e a Arbitragem são meios alternativos, seguros e rápidos de resolução de litígios. Para tratar sobre o tema, o sindicato convidou o dr. José Celso Martins, presidente do Tribunal Arbitral de São Paulo – TASP.


video


Mais informações no twitter do sindicato: www.twitter.com/sciesp

Com FGTS, consórcios de imóveis registram recorde em número de participantes

Por: Camila F. de Mendonça
11/05/10 - InfoMoney

SÃO PAULO – A ampliação das opções de uso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) em consórcios de imóveis fez esse tipo de comercialização registrar recorde no primeiro trimestre deste ano.
Os dados divulgados pela Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios) apontam para um crescimento de 18,1% no acumulado dos primeiros três meses deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, no número de novos consorciados. Ao todo, até março, 56 mil novas cotas foram comercializadas, enquanto que nos primeiros três meses de 2009 eram 47,4 mil.
“Não pagar juros, parcelar integralmente o valor do bem e poder utilizar o FGTS na amortização, liquidação e pagamento de parte das prestações ou para ofertar lances têm sido as principais razões para o crescimento dos consórcios de imóveis, especialmente no primeiro trimestre deste ano”, afirmou, por meio de nota, o presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi.
Comercializações e contemplações
Em março deste ano, havia 545 mil consorciados ativos no ramo de imóveis – a maior marca da história. O número está 5,2% acima do registrado no mesmo período do ano anterior, quando foram vendidas 518 mil cotas.
Considerando o primeiro trimestre deste ano, as contemplações (momento em que os consorciados têm a possibilidade de adquirir seus imóveis) chegaram a 17,1 mil, volume 14% maior que as 15 mil do mesmo período do ano passado.
Considerando todas as categorias do sistema de consórcios, há mais de 3,8 milhões de participantes, que entraram no sistema para adquirir todos os tipos de bens, como veículos, imóveis e serviços.
Consórcio ou financiamento?
Na hora de escolher entre o financiamento e o consórcio para adquirir o imóvel, é importante ficar atento para as vantagens e desvantagens de cada opção e também ao seu perfil de comprador.
Enquanto é possível ter as chaves do imóvel assim que o financiamento é liberado, pelo consórcio é preciso aguardar ser sorteado para ter acesso ao crédito.
Por outro lado, nesta modalidade não são cobrados juros, apenas taxas de administração. Além disso, não é preciso dar qualquer tipo de entrada para ingressar no sistema, ao passo que, nos financiamentos, um bom valor inicial ajuda na diminuição do prazo e, consequentemente, na redução dos juros pagos.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Futuro Profissonal – “Banco de Talentos”
O Sciesp oferece ao sócio-estagiário, através do programa Banco de Talentos, a oportunidade de ingressar de forma prática e segura no mercado imobiliário.
Além dos alunos do curso de TTI, os profissionais autônomos e as imobiliárias que estiverem à procura de estagiários qualificados podem entrar em contato com o sindicato para recrutar entre os estudantes ávidos para aprender o dia a dia da profissão.
“Para fazer parte do programa é necessário que as imobiliárias e os profissionais autônomos preencham os requisitos estabelecidos pelo Banco de Talentos,” destacou Vanessa Silva, advogada do sindicato.
O Sciesp possibilita à categoria e aos estudantes da corretagem, uma formação integral, ingressando-os no mercado de trabalho e, habilitando-os a exercer a arte da intermediação imobiliária. “Neste caso, o sindicato funciona como um elo de integração,” esclarece Alexandre Tirelli, vice-presidente do Sciesp.
Os estudantes que ainda não desfrutam do benefício gratuito, podem entrar em contato pelos telefones abaixo ramal 31 para adesão ao programa.

Lei 6530/78 completa 32 anos de glória
No próximo dia 12 de maio, a categoria profissional comemora o 32º aniversário da Lei 6530/78, com a realização de uma missa, às 12 horas na Praça da Sé, organizado pelo Conselho Regional de São Paulo.
A Lei 6530/78 valoriza a categoria ao fixar deveres de conduta profissional para o exercício da corretagem imobiliária, bem como as penalidades em caso de desobediência as determinações nela contidas.
A promulgação da lei ocorreu após longos esforços para discriminar disciplinas e formatar um curso de qualificação para o corretor de imóveis. Segundo o prof. dr. Paulo Nathanael Pereira de Souza, responsável pela elaboração do currículo que embasou a formação do Técnico em Transações Imobiliárias, comemorar esta data é um verdadeiro reconhecimento e agradecimento aos baluartes desta profissão. “Fazer parte desta história é um grande orgulho, mas acima de tudo, colaborar com uma categoria que corresponde a todas as expectativas que lhe são impostas é ainda mais satisfatório,” acrescentou Nathanael, que também é reitor da UNISciesp.


A intermediação imobiliária que é regulamentada por lei exige a formação de Técnico em Transação Imobiliária e o registro no Conselho Profissional, o que dá confiabilidade e a certeza de que os participantes da transação imobiliária estarão realizando negócios em segurança.
A Escola Técnica mantida pelo Sciesp, que ministra o curso de TTI, participa da Campanha de Valorização Profissional concedendo bolsa de estudos de 50% do investimento aos filhos(as) dos corretores de imóveis. A diretoria do sindicato acredita que esta iniciativa agregada à experiência dos pais possa estimular um futuro profissional de sucesso aos novos corretores.

2º Enbraci terá palestrante internacional
Criado pelo Sistema Cofeci-Creci para propiciar reciclagem e aporte de informações privi-legiadas aos corretores de imóveis de todo o país, além de novas oportunidades de negócios, o 2º Encontro Brasileiro de Corretores de Imóveis terá palestrante internacional em sua programação.
Marcado para os dias 27 e 28 de maio, em Brasília, o 2º Enbraci dará um panorama do que está acontecendo no mercado imobiliário no Brasil e no mundo, e quais as perspectivas de evolução para o setor.
As inscrições, informações e atualizações sobre a confirmação de novos convidados já estão disponíveis no site www.enbraci.com.br. Há preços especiais para estudantes e corretores de imóveis.

Sciesp apoia a reciclagem

O Sciesp realiza trabalho em prol da preservação do meio ambiente. Este projeto visa conscientizar a população da importância da reciclagem para evitar a poluição e facilitar o reaproveitamento das sucatas pelas indústrias. A única forma de evitar grandes tragédias é a conscientização da população para que esta possa contribuir positivamente. O sindicato já adotou sistemas como o de coleta seletiva de papel, plástico, vidros e metais, materiais de difícil decomposição e que podem ser reaproveitados. Corretor faça você também a sua parte!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Feirão da Casa Própria: saiba como evitar problemas na escolha do imóvel

Por: Evelin Ribeiro
07/05/10 -InfoMoney

SÃO PAULO – O Feirão da Caixa, evento da Caixa Econômica Federal organizado para estimular a venda e o financiamento de imóveis, começa nesta sexta-feira (7) com a oferta estimada em 450 mil unidades, entre novos, usados e na planta. Serão 13 capitais percorridas, começando por Belém (PA), seguida por Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Uberlândia.

Para evitar os vários problemas relacionados a financiamentos negados, imóveis danificados, cobranças de taxas de condomínio em atraso, imóveis ocupados e até atraso na entrega das casas e apartamentos em construção, o presidente do Ibedec (Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo), José Geraldo Tardin, dá algumas dicas para os candidatos à compra de imóveis.

A primeira é pesquisar o preço. "Para fazer um bom negócio, é preciso saber o valor médio de outros imóveis com as mesmas características do que você pretende comprar e já determinar o valor máximo que você pretende pagar pelo imóvel".

Portanto, é válido investigar se há outro imóvel à venda no mesmo prédio ou condomínio, para saber o valor de mercado. Da mesma forma, uma pesquisa com imobiliárias na região pode ajudá-lo a detectar o preço médio do metro quadrado.
O que estou comprando
Conheça o imóvel por dentro e faça uma vistoria detalhada antes de fechar negócio. Segundo o Ibedec, "é muito comum, principalmente em imóveis ocupados, que, ao tomar posse do imóvel, o comprador se depare com luminárias, armários, torneiras e até partes de gesso arrancadas e que constavam quando da primeira visita".

Se o imóvel que você vai comprar está pronto, novo ou usado, procure se certificar de que não há outras dívidas pendentes, como condomínio e IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Essas dívidas são de responsabilidade do antigo proprietário, que deverão ser quitadas pelo banco ou pelo vendedor do imóvel.
Um dos problemas mais comuns ocorre quando o imóvel adquirido está ocupado. Nesse caso, o conselho do Ibedec é não comprar. "Se, mesmo assim, você ainda estiver determinado a arriscar fazer um bom negócio, seu primeiro passo é fazer uma visita ao imóvel e tentar conversar com o ocupante sobre a situação dele e se o mesmo vai ou não desocupar o imóvel amigavelmente", recomenda Tardin.
Taxa de juros
Outra dica é pesquisar a taxa de juros. "Não é só a Caixa que faz financiamentos para habitação. Todos os bancos do país fazem. E a taxa de juros varia conforme sua renda, o valor do imóvel e o valor do financiamento", alerta o especialista.

Nesse quesito, a internet pode ajudar, pois todos os bancos têm simuladores on-line de financiamentos. Dessa forma, o interessado pode saber o CET (Custo Efetivo Total do Financiamento), que mostra quanto o financiamento vai custar, incluindo todas as taxas administrativas e tributos cobrados pelo banco.

Panfletos, anúncios e escritos feitos pelos vendedores são válidos como prova, na Justiça, caso seja necessário. Por isso é recomendável guardar tudo.

Vou conseguir pagar por tanto tempo?
O prazo do financiamento é outra coisa que, de acordo com o Ibedec, merece atenção redobrada do consumidor. “Ao financiar um imóvel em 30 anos, você pagará 4,5 vezes o valor de mercado do imóvel, entre juros, capital e correção monetária. Ao financiar em 20 anos, você pagará 3,5 vezes o valor de mercado do imóvel. Sabendo disto, procure comprar o menor imóvel dentro de suas necessidades atuais, dê o máximo de entrada possível e financie pelo menor prazo dentro de sua capacidade de pagamento”.

O Ibedec recomenda nunca comprometer mais de 15% da renda com o pagamento da primeira parcela do financiamento. “E não caia na tentação de comprometer 30%, conforme muitos bancos orientam. Lembre-se de que o prazo é muito longo, dificuldades e crises acontecem sempre e com todos e comprometer menos seu salário é caminho certo para não haver surpresas desagradáveis no futuro”.

Outros custos
Além das parcelas do financiamento, há despesas de escritura e ITBI (Imposto sobre Transferência de Bens Imóveis) para registrar a transação em cartório. Estes custos podem chegar a 3% do valor de mercado atual do imóvel, portanto, ou você tem de ter esta reserva em dinheiro ou precisa já incluir estes custos no financiamento.

Tardin ainda lembra que “estas são algumas dicas, dentre dezenas de problemas que podem acontecer na compra de um imóvel". E finaliza: "na dúvida sobre qualquer situação, procure um órgão de defesa do consumidor, como o Ibedec ou Procon".

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Imóveis: prefeitura de SP quer aumentar adesão a programa que isenta do IPTU

Por: Equipe InfoMoney
06/05/10


SÃO PAULO – A Prefeitura de São Paulo pretende estimular os proprietários de imóveis da área central da cidade a aderirem ao Programa Lei das Fachadas Históricas, que garante a isenção por dez anos da cobrança do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) a quem decide pelo restauro de imóveis tombados.
A iniciativa faz parte de um plano de ação da Secretaria Municipal de Habitação (Sehab).
Segundo um levantamento realizado pela secretaria, só 17 imóveis se utilizaram desse incentivo, desde que a lei entrou em vigor, há 13 anos. Contudo, a partir de agora, a Sehab pretende estender o foco na região central da cidade, onde encontram-se 1.500 imóveis tombados.
"A verdade é que a Lei 12.350 se encontrava em total desuso. Começamos então, em 2009, a mapear as propriedades, considerando sua utilização, seu estado de conservação, tamanho e outras variáveis. Consultamos também empresas especializadas em recuperação de fachadas, para definir o investimento necessário para cada proprietário", explica o coordenador do programa, Ulisses Carraro.
Incentivos
A meta da secretaria é comunicar por carta, já nos próximos meses, todos os proprietários sobre a situação de seus imóveis. O objetivo será incentivá-los a realizar a restauração.
Na avaliação da Sehab, além da isenção do IPTU, o dono terá a propriedade valorizada pelo acabamento. A secretaria ficará responsável pelo auxílio com as informações sobre todo o processo burocrático da ação.
De acordo com Carraro, os patrocínios vindos da iniciativa privada ajudariam a bancar todo o restauro. E, segundo ele, já existem processos bem avançados como, por exemplo, o que envolve o edifício Copan.
"Seria fantástica a recuperação desse marco arquitetônico da Cidade, com pouco ou nenhum ônus aos proprietários dos apartamentos. Para as empresas, participar de um projeto dessa envergadura traria um retorno em mídia enorme. Nosso objetivo é que 20 imóveis sejam restaurados no espaço de um ano", diz.
Ainda no que se refere ao Programa Lei das Fachadas Históricas, o proprietário é obrigado a realizar limpezas das fachadas a cada cinco anos (Lei 10.598/88).

terça-feira, 4 de maio de 2010

Entrevista: Toni Kasai

Recentemente o Brasil inteiro ficou comovido com a situação dos moradores do morro Bumba, no Rio de Janeiro. Este é só um exemplo, dos muitos que temos espalhados pelo Brasil e também pelo Estado de São Paulo. Recentemente, o governo estadual realizou intervenções no Parque Estadual da Serra do Mar. Para tratar de um assunto tão delicado como este, o Sindicato trouxe até você, corretor de imóveis, o Diretor do Departamento de Gerenciamento de Emergências e Capitão da Polícia Militar Toni Kasai.

video

Mais informações no twitter do sindicato www.twitter.com/sciesp
VI Workshop é um Sucesso


A UNISciesp promoveu o VI Workshop Especialistas em Consultoria Imobiliária, na última quarta-feira. Alguns dos mais destacados profissionais do mercado imobiliário protagonizaram a exposição de painéis com assuntos relevantes do dia a dia do corretor de imóveis. O tema “Sustentabilidade e o Mercado Imobiliário”, considerado a grande novidade da sexta edição do Workshop, foi ministrado por Orlando Almeida Neto, diretor de desenvolvimento da Triumpho e Roberta Bigucci, diretora administrativa da MBigucci. “Acreditamos que o sucesso do curso esteja diretamente relacionado tanto ao interesse do corretor em tornar-se um profissional de destaque quanto pelas disciplinas abordadas que auxiliam de forma muito positiva o exercício da profissão,” avaliou Alexandre Tirelli, vice-presidente do Sciesp.
A XIII edição do curso Especialista em Consultoria Imobiliária – ECI que é oferecido aos corretores de imóveis e demais profissionais do segmento, começa hoje. O curso, instituído pelo Sciesp, tornou-se referência em ensino de qualidade para quem almeja se destacar em sua atividade. Os alunos recebem certificado de “Consultor Imobiliário” desde que freqüentem 75% das aulas e apresentem trabalho de conclusão.
Abrace a possibilidade de vencer como profissional, consolidar a carreira e garantir um futuro de tranquilidade. Os interessados devem entrar em contato através do telefone (11) 3051-6155 ou pelo e-mail: inscricoes@sciesp.com.br - Vagas Limitadas.

UNISciesp - Encontro Imobiliário


04/05 – Sede –
"Ocupações em áreas de risco”, com Capitão PM Toni Kasai
05/05 – Campinas – "Arquitetura para o dia a dia do corretor de imóveis”, com Wellington Sendas
12/05 – Santos – "Economia legal de impostos e transações imobiliárias”, com Ricardo Monteiro
27/05 – SJC – "Marketing para os Lançamentos”, com Edson Simões
Participe! Os encontros ocorrem sempre às 19h00 e a participação é garantida mediante a doação de 2 kg de alimentos não perecíveis. As inscrições podem ser feitas através do telefone (11)3051-6155 e pelo e-mail inscricoes@sciesp.com.br – Vagas Limitadas. Confira a programação também pela TV O Corretor através do site http://www.sciesp.org.br/



Seja um Corretor de Imóveis de Sucesso
A Escola Técnica mantida pelo sindicato oferece o curso de Técnico em Transações Imobiliárias, que garante o exercício legal da profissão. Há mais de uma década a Ebrae forma os profissionais da corretagem imobiliária através do inovador método de ensino a distância, o que garante formação de qualidade com flexibilidade de horários. O aluno da Ebrae também se beneficia do aproveitamento de estudos anteriores e ainda possui a vantagem de se tornar sócio estagiário do sindicato e desfrutar dos mais variados benefícios oferecidos. Para a matrícula, são necessários 18 anos completos e cópia dos seguintes documentos:
- 1 do RG
- 1 do CPF
- 1 do Título de eleitor
- 1 da certidão de nascimento ou casamento
- 1 do comprovante de endereço
- 1 foto 3x4
- 1 autenticada do Certificado de Conclusão e Histórico do Ensino Médio ou Diploma e histórico do Superior.
- Reservista se menor de 45 anos.
Maiores informações pelos telefones abaixo ramal 32.

Comunicado Importante
O Sciesp informa aos associados que não puderam comparecer ao pleito para a renovação dos cargos de Diretoria e do Conselho Fiscal, efetivos e suplentes, gestão triênio 2010/2013, realizado dia 5 de abril p.p, deverão apresentar justificativa por escrito, impreterivelmente, até o dia 5 de maio.
A justificativa deverá conter a qualificação completa do corretor e o motivo da ausência, e deve ser entregue na Sede Social ou em qualquer uma das Agências Regionais da base territorial. Na impossibilidade, encaminhar por via postal para Rua Pamplona, 1200, 3º andar, Jardim Paulista, São Paulo/SP – CEP: 01405-906, ou pelo correio eletrônico: juridico@sciesp.com.br


Sciesp apoia a reciclagem


O Sciesp realiza trabalho em prol da preservação do meio ambiente. Este projeto visa conscientizar a população da importância da reciclagem para evitar a poluição e facilitar o reaproveitamento das sucatas pelas indústrias. A única forma de evitar grandes tragédias é a conscientização da população para que esta possa contribuir positivamente. O sindicato já adotou sistemas como o de coleta seletiva de papel, plástico, vidros e metais, materiais de difícil decomposição e que podem ser reaproveitados. Corretor faça você também a sua parte!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Projeto autoriza repasse dos dividendos da Caixa à habitação popular

Por: Equipe InfoMoney
03/05/10

SÃO PAULO – O projeto (PLS 2/06) que destina ao Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social metade dos dividendos que a Caixa Econômica Federal repassa anualmente à União está na pauta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), para a reunião da próxima terça-feira (4).
Com isso, o Brasil poderá ganhar um reforço para minimizar o déficit de habitação da população de baixa renda, estimado em 5,5 milhões de moradias apenas nas áreas urbanas, segundo informações da Agência Senado.
A proposta, do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), recebeu parecer favorável do relator, senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). Mas, em contrapartida, Crivella afirmou ser elevado o repasse ao fundo de 50% dos dividendos. O senador propôs, em emenda, a redução para um terço dos dividendos.
Volume
Em 2008, a Caixa obteve lucro de R$ 3,9 bilhões, e destinou ao Tesouro R$ 1,6 bilhão. Na ocasião, se a lei já estivesse valendo, a habitação popular receberia R$ 800 milhões, o que daria para construir 20 mil casas populares de R$ 40 mil.